quinta-feira, 12 de novembro de 2015

MULTAS, PROCESSOS E SUSPENSÃO DE LICENÇA AMBIENTAL SERÁ APLICADO PARA A MINERADORA SAMARCO APÓS ROMPIMENTO DE BARRAGEM DE REJETOS.


O rompimento das barragens de Santarém e Fundão, na semana passada, que devastou o distrito de Bento Rodrigues, em Mariana, Minas Gerais, não ficará impune.

O IBAMA – Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis – impôs cinco multas à Samarco Mineradora, cada uma no valor de R$ 50 milhões por lançar rejeitos em rios próximos e em razão dos prejuízos causados à biodiversidade.

A lama decorrente do rompimento deixou em estado de alerta 15 municípios de Minas Gerais e Espírito Santo, abastecidos pela água do Rio Doce, já que foram lançado mais de 50 milhões de metros cúbicos de rejeitos nas áreas vizinhas a Mariana. Além disso, seis mortes foram confirmadas nesta catástrofe ambiental.

A decisão exige também que a Samarco monitore a qualidade da água do Rio Doce e apresente, em 30 dias, um plano para verificar a persistência de poluentes na água e outro para reparação dos danos causados.

A Samarco Mineradora, fundada em 1977, é controlada pelos grupos Vale e BHP Billiton e é a décima maior exportadora de riquezas minerais do país.


Nenhum comentário:

quinta-feira, 12 de novembro de 2015

MULTAS, PROCESSOS E SUSPENSÃO DE LICENÇA AMBIENTAL SERÁ APLICADO PARA A MINERADORA SAMARCO APÓS ROMPIMENTO DE BARRAGEM DE REJETOS.


O rompimento das barragens de Santarém e Fundão, na semana passada, que devastou o distrito de Bento Rodrigues, em Mariana, Minas Gerais, não ficará impune.

O IBAMA – Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis – impôs cinco multas à Samarco Mineradora, cada uma no valor de R$ 50 milhões por lançar rejeitos em rios próximos e em razão dos prejuízos causados à biodiversidade.

A lama decorrente do rompimento deixou em estado de alerta 15 municípios de Minas Gerais e Espírito Santo, abastecidos pela água do Rio Doce, já que foram lançado mais de 50 milhões de metros cúbicos de rejeitos nas áreas vizinhas a Mariana. Além disso, seis mortes foram confirmadas nesta catástrofe ambiental.

A decisão exige também que a Samarco monitore a qualidade da água do Rio Doce e apresente, em 30 dias, um plano para verificar a persistência de poluentes na água e outro para reparação dos danos causados.

A Samarco Mineradora, fundada em 1977, é controlada pelos grupos Vale e BHP Billiton e é a décima maior exportadora de riquezas minerais do país.


Nenhum comentário: